Acabou!!!!!!


Nunca me senti tão aliviado por me “livrar” de um trabalho… Há pelo menos 15 dias dois artigos têm literalmente pesado na minha consciência e causado verdadeiros transtornos ao meu dia-dia… Nunca, e eu disse NUNCA!!!!!!! Imaginei que pudesse odiar tanto uma disciplina, um assunto, um tema, uma vertente da comunicação social, prefiro acreditar que não fui apresentado da maneira mais conveniente sabe… mas, Passou.

Viva o Rádio!!!! Disso eu entendo e bem!!!!!!!!!!

Anúncios

Cara nova
Amigos bloggers e twitters. Mês que vem este blog completará 1 aninho de vida! E pra comemorar, tô bolando umas coisinhas, inclusive um lifting, nele óvio!!!! Quem sabe até umas garrafas de espumante pra celebrar o niver de meu divã eletrônico; quem sabe…Rsrsrs.

Aguardem novidades.

Clipping

Os pecados da Guerra nos bordéis do Recife e de Natal

Publicado em 29.08.2009, às 16h58

Wagner Sarmento Do Jornal do Commercio/Especial para o JC Online

Nem só de patrulhas, comboios e combates viviam os militares que atuavam na Quarta Frota Americana e nas Bases Aéreas do Ibura e de Parnamirim.

Recife e Natal, além da importância estratégica na guerra, eram palco de diversão e pecado. Em tempos de batalha, bordéis se multiplicaram nas duas cidades. As moças não hesitavam em se oferecer aos americanos. A volúpia de ambos os lados fez com que doenças venéreas se espalhassem como praga.

A diferença entre o recifense e o natalense era que o primeiro nunca assimilou o fato de as mulheres locais preferirem ser cortejadas por americanos. “No Recife, havia briga direto. Já em Natal, os rapazes até gostavam, pois os americanos touxeram dinheiro para a cidade”, compara. Até os abrigos antiaéreo natalenses eram usados para encontros íntimas.

A presença americana acarretou mudanças culturais. “Antes, o nordestino só vestia paletó, gravata e chapéu. Depois da guerra, incorporaram o jeito do americano se vestir e passaram a usar camisas de mangas curtas”, conta Marinho. Expressões como “ok” e “bye bye” introduzidas no dia a dia do recifense e do natalense. Eletrodomésticos e até a Coca-Coca desembarcaram no País com os militares de Tio Sam.

Mais em: http://jc.uol.com.br/canal/cotidiano/internacional/noticia/2009/08/29/os-pecados-da-guerra-nos-bordeis-do-recife-e-de-natal-198074.php

O vento
Queria ilustrar um post que acabara de escrever, e que falava sobre estar sozinho, sobre caminhar chorando e acordar sorrindo; e aí tendo como referencia algumas palavras – chave como: Solidão, brisa, caminhada, praia… E buscando uma imagem, encontrei a que ilustra este post.

Não me pergunte o porquê, mas escolhi não publicar o texto anterior e postar apenas essa imagem; algo de implícito há nela, e espero descobrir em breve do que se trata…

Graça

Não há nada que possamos fazer para Deus nos amar mais, e não há nada que possamos fazer para Deus nos amar menos, pois Ele não nos ama pelo que somos, mas pelo que Ele é.

Do Livro : O Deus (In)Visível, de Phillip Yancey

Bom dia
São 03hs, mais uma madrugada em claro; artigos, trabalho atrasado, vontade de fazer um monte de coisas ao mesmo tempo, mas… Não deu.

Dia amanhece já já… E de repente bateu uma saudade tremenda de São Paulo, e dquele café na padaria… Precisando muito viajar.

I need

Querendo : Viajar, retomar algumas leituras, rir um bocado, dormir cedo, ligar pra algumas pessoas, rever tantas outras… Terminar meus cursos, me sentir livre; e conversar, sim conversar bastante…

Buscando: Parcerias, diálogo, liberdade, sossego, amigos, sinceridade, rostos, e caras novas; comer coisas gostosas e saudáveis, sorrisos, prazer(latu sensu), e tempo…

Precisando : Acordar cedo, não pensar em trabalho, desligar o celular, ouvir música, ouvir o vento, olhar o mundo, sentir cheiro de terra molhada, sentar na praia no fim de tarde e ficar olhando o mar; tomar banho de chuva…