Rádio web

Ainda não estão totalmente prontos, mas os primeiros reprodutores de rádios online para carros vêm aí. A fabricante de equipamentos de áudio para automóveis Blaupunkt e o portal australiano de rádios online miRoamer estão trabalhando em um rádio de carro que, além das estações AM/FM, transmite músicas, notícias e entretenimento de estações do mundo todo.

Os aparelhos usam tecnologia Bluetooth para criar uma rede com dispositivos externos com acesso à Internet: um celular, um iPhone, um PDA, um mininotebook ou um notebook com conexão 3G/HSDPA/HSPA. Quando conectado a esse dispositivo móvel, o rádio passa a ter o mesmo provedor de telefonia móvel do usuário e, por consequência, o mesmo plano de dados. Assim que a conexão à Internet é detectada pelo aparelho, as dezenas de milhares de estações de rádios do miRoamer são carregadas, e o usuário pode selecionar uma da mesma maneira que escolhe uma rádio normal. Também pode conectar-se a qualquer playlist online. Basta colocar o endereço no bookmark do rádio do carro e acessá-lo sempre que desejar.

De: http://blog.hsw.uol.com.br/gadgets/

Anúncios

Crônica esportiva pernambucana está de luto

Morreu nesta quinta-feira, aos 62 anos, vítima de um infarto fulminante, o narrador esportivo da Rádio Jornal, Adilson Couto.

Adilson estava numa oficina mecânica, quando sentiu-se mal e foi levado para a Policlínica Amaury Coutinho, no bairro Campina do Barreto, no Recife.

Narrador principal da Rádio Jornal há 17 anos, Adilson Couto era casado e pai de duas filhas.

Do blog do torcedor

Morre o Grau Dez Internacional

Radialista era reconhecido por narrar de forma única os lances do esporte pernambucano; ele integrava a equipe da Rádio Jornal há 17 anos

Da Redação do pe360graus.com

Reprodução / TV Globo

Foto: Reprodução / TV Globo

Um dos mais renomados radialistas esportivos de Pernambuco, Adílson Couto, 62 anos, morreu nesta quinta-feira (28). Ele era reconhecido por narrar de forma única os lances do esporte pernambucano.

O cronista estava em uma oficina mecânica quando passou mal e foi socorrido para a Policlínica Amaury Coutinho, em Campina do Barreto, no Recife. De acordo com o médico do locutor, Tomás Mesquita, a causa da morte foi insuficiência respiratória, provocada por um enfisema pulmonar.

Fluminense da cidade de Petrópolis, Adílson Couto começou a carreira na Rádio Continental, do Rio de Janeiro, em 1967. Ele integrava a equipe da Rádio Jornal, em Pernambuco, há 17 anos.

Do site: www. pe360graus.com

Adeus Adilson Couto.

Agora pouco cheguei em casa e fui surprendido com a triste notícia do falecimento de Adilson Couto, O grau dez internacional; eu que curiosamente postei hoje cedo no meu blog Parabólica, um texto que entre outras coisas, mencionava a mística a admiração e por vezes a íntima relação entre locutor e ouvinte, existente apenas na cabeça deste último.

Agora, tomado pela emoção e pela tristeza, e também pelo sentimento de impotência que nos invade sempre que alguma perda irreparável se efetiva de forma inesperada e fulminante como a de Adilson; me coloco na condição de ouvinte e não de radialista, e manifesto publicamente minha tristeza e o sentimento de que perdi um amigo muito próximo, alguém que por muito tempo me transmitiu alegria, emoção, ânimo, e me consolou nos momentos dificeis em que o Sport frustrava minhas expectativas; sempre com bom ânimo e com o otimismo que lhe eram peculiares: VAMO LEÃO!!!

Sim, como ouvinte perdi um grande e querido amigo, um amigo com o qual nunca me relacionei, e que nunca me conheceu como tal, ou soube da minha existência; como radialista perdi uma referência, um exemplo como homem e como profissional.

Lamento sua perda, e me entristeço mais ainda, ao recordar que meses atrás no corredor da Estação Sat, me defrontei com ele, ali, frente à frente; mas acanhado e receoso, resguardei-me e não o abordei para cumprimentá-lo e declarar naquele instante minha adimiração pelo seu trabalho e por sua postura ética e profissional; contentei-me em apenas olhá-lo de longe, e dizer a mim mesmo: Se um dia eu crescer, Deus permita que eu seja como ele. E este episódio hj , diante da sua partida, reforça em mim a convicção de que não devo deixar de dizer hoje e a quem quer que seja, o quanto essa pessoa é importante pra mim; afinal, talvez não haja uma segunda chance.

O coração de Adilson Couto não faz mais TUM TUM TUM DE EMOÇÃO!!!!!!! Ele, o coração, decidiu parar. O grau dez se foi.; mas o seu legado, sua história, sua vida e seu trabalho, serão sempre uma referência pra todos nós radialistas e profissionais de imprensa; ficarão entre nós a saudade e a lembrança de uma das mais belas aberturas de transmissões esportivas do nosso rádio: CHEGUEI PRA COLORIR O FUTEBOL NA JORNAL!!!!!!!!!!! E da assinatura memorável que sempre estará presente nos corações e mentes dos apaixonados pelo rádio como eu, admiradores do timbre e da potencia da voz mais marcante do rádio Brasileiro: ESSA TRANSMISSÃO ESPORTIVA, EU ASSINO EMBAIXO!!!!!!!!!

Difícil segurar as lágrimas, saudades do Grau Dez internacional… Adeus amigo Adilson Couto.

Kindle x Reader = O meio ambiente agradece.


A Amazon anunciou que o leitor de e-book Kindle foi o dispositivo eletrônico mais vendido do site em 2008. A empresa também informou que o produto foi o presente mais popular na categoria eletrônicos e aparece com freqüência na lista de desejos dos consumidores.

O principal rival do Kindle é o Sony Reader. Os aparelhos têm tamanhos similares e são capazes de armazenar milhares de livros, revistas, jornais ou qualquer documento eletrônico. Eles utilizam a mesma tecnologia de display, que possibilita a leitura mesmo com a luz do sol. Kindle

A diferença chave está na aquisição dos livros. O produto da Sony precisa que o conteúdo seja comprado por meio de um PC e transferido para o Reader através de uma conexão a cabo. O Kindle, entretanto, permite conexão com celular e dá aos usuários a possibilidade de comprar e baixar livros diretamente da Amazon; a conexão wireless é oferecida sem custo adicional através da rede 3G, e atualmente, existem mais de 275 mil livros disponíveis para compra e download.

Sony Reader

O Kindle tradicional é formatado, principalmente, para leitura de livros. No entanto, é possível que jornais e revistas sejam reproduzidos nos aparelhos, as editoras New York Times Company e Washington Post Company lançarão testes com o aparelho a partir de julho, e segundo o anúncio da Amazon, os jornais oferecerão o aparelho a preços reduzidos para leitores que moram em áreas onde a entrega das publicações não está disponível, ou aos que se comprararem uma assinatura longa do jornal.

Instituições como Arizona State University, Case Western Reserve University, Princeton University, Reed College e Darden School of Business da University of Virginia distribuirão o Kindle DX a seus estudantes até o final do ano; as faculdades planejam distribuir centenas de gadgets para que estudantes os usem em diferentes cursos.

O aparelho facilitará o lançamento de novas edições de livros sem a necessidade de recolhimento dos exemplares distribuídos, atualização de conteúdos científicos em tempo real, acréscimo de notícias às edições dos jornais diários; e possibilitará um ganho ecológico incalculável já que o papel utilizado pela indústria gráfica, aos poucos será aposentado, e as bibliotecas serão coisa do passado. Será?


Convergência Digital

Estudio da rádio cidaade no final dos anos 80

Minha paixão pelo Rádio e pela comunicação começou desde criança; sempre fui fascinado e me senti atraído com a possibilidade de dizer algo de uma só vez a muitas pessoas, coisa mesmo de filho caçula, que por ter irmãos bem mais velhos e chatos queria se fazer notar e ouvir; e que àquela época, já enxergava no rádio a plataforma ideal para “impor” seu discurso e empurrar ouvido a dentro suas impressões do mundo…

Anos depois, pude finalmente visitar uma emissora de rádio pela primeira vez, e me apaixonei à primeira vista pelo que vi; fiquei maravilhado com a quantidade de equipamentos no estúdio, vários toca Cds, toca discos (vinis), cartucheiras(uma espécie de tocadores de fitas cassete) amontoados uns sobre os outros, além de pilhas e pilhas de discos e fitas…Aquela visita nunca mais saiu da cabeça, e sempre que alguma discussão evocava o futuro e o que eu aspirava fazer nele, aquela mesma imagem surgia abruptamente. Não havia dúvidas.
No tempo devido, me inseri no mercado e os estúdios em minha vida; mas diferente daquela imagem que eu ainda guardava da década de 90, uma nova realidade voltou a me surpreender nos idos de 2000. Os discos, cds, cassetes, fitas, gravadores de rolo, as estantes de equipamentos e os avisos colados pelas paredes; haviam sido trocados por apenas 2 PCs ; e o rádio transformado-se em algo muito diferente, mais dinâmico, ágil, cheio de possibilidades, parte da magia do passado havia sumido, virado museu, a informatização das emissoras e a digitalização das mídias estavam consumadas.

Estúdio da Rede Estação Sat 2008

A convergência e a interação entre ou diversos formatos, facilitaram sobremaneira a forma de fazer e ouvir rádio; as ondas eletromagnéticas do AM e do FM, agora podiam se irradiar e ganhar o mundo através do satélite; os processos de gravação e edição de aúdio, outrora realizados quase que artesanalmente com o uso de fitas rolo; podiam ser feitos numa plataforma rápida e precisa sem o uso de qualquer mídia, bastando apenas um software; o som do rádio invadiu a web, à interação entre locutor e ouvinte antes restrita ao telefone, somaram-se os e-mails, os chats, o Orkut, os SMS, o Twitter. E assim, o comunicador transformou-se antes de tudo num operador de sistemas digitais, que por sua vez, permitiram também uma fantástica interação em tempo real com o ouvinte. Os estúdios diminuíram, o mundo se apequenou, e o rádio chegou mais longe.

Postado ontem no meu blog Parabólica.